Buscar
  • Instituto de Formação de Líderes Jovem São Paulo

Quanto tempo você demora para achar uma resposta? Um texto sobre a pornografia empreendedora




Quanto tempo você demora para achar uma resposta? Milésimos de segundos numa busca no Google, certo?


Nos dias de hoje, encontrar informação é rápido e isso facilita muito nossas vidas, visto que nos permite poupar tempo. Não só isso, podemos também adquirir novos conhecimentos que antes jamais poderíamos ter. Esta semana, eu assisti a um evento no qual uma amiga minha mediou um painel de mercado financeiro e, brevemente, foi comentado sobre como antes era muito mais difícil entender como as companhias funcionam nos Estados Unidos para poder replicar os modelos de lá nos negócios do Brasil.


A tecnologia trouxe a aproximação, nos conectou entre pessoas do mundo inteiro e com todo o conhecimento que a humanidade tem. Ela conecta de tal forma que em período de pandemia é por meios digitais, e somente esses, que podemos entrar em contato com nossos amigos e colegas de trabalho. Tal aproximação é benéfica para mantermos relacionamentos e conhecermos novas pessoas, mas, como tudo na vida, tem seus malefícios.


Para falar um pouco dos malefícios causados, gostaria de explicar que este não é um texto sobre como a digitalização nos faz menos humanos, ou como o uso excessivo de redes sociais faz mal. Este é um texto sobre o tempo, um texto sobre contextos, um texto sobre perguntas, um texto sobre respostas.

Voltando ao tema de uso da internet para conhecer negócios em todo o planeta, num cenário de fundos de investimento ou consultoria, nos quais há uma qualificação para a gestão de empresas, se torna extremamente interessante o uso do digital para se capacitar e se munir de informações globais a fim de estar ciente sobre como players do mundo inteiro tocam suas empresas e criam seus produtos. Isso causa não somente uma maior qualidade do serviço para o consumidor final, mas também a possibilidade de globalização de empresas criadas aqui, e a redução das diferenças entre empresas de diversos países em sua forma de funcionar.

Agora, o que é interessante é quando esse avanço causa a possibilidade de novos entrantes que criam produtos do zero e inovam muitas das vezes sem vários anos de experiência em grandes empresas. As chamadas startups nascem de oportunidades gigantes e mal compreendidas, mas endereçáveis por times que agora têm, por meio da internet, acesso a um know how que antes não teriam. A barreira de entrada fica cada vez menor, mas o que diferencia é o porquê este é o time que melhor atende aquela dor daquele grupo de clientes, e muitas vezes o time tem o know how quando de forma autodidata novos conhecimentos são adquiridos, e graças à internet a disseminação de conhecimento de qualidade toma conta da nossa cultura.

Muito por conta disso, hoje existem discussões sobre o real valor de se cursar uma graduação em uma universidade, e outros temas como esse surgem cada vez mais nas redes sociais em perfis de empreendedores ou dos que dizem ser grandes empresários.

O fenômeno que eu chamo de “Pornografia Empreendedora” passa a existir quando a atenção de inúmeras pessoas é voltada a uma realidade que não faz parte de seu contexto. Se por um lado as redes sociais trazem a expansão da perspectiva e visão sobre oportunidades de trabalho e carreira, por outro, causam o engano da soberba em achar que se aprende a fazer uma empresa pelo feed no celular.

O fenômeno ocorre por ser infinitamente mais fácil observar o que os outros fazem do que aplicar um conhecimento na prática. Nasce assim uma leva de pessoas que têm muita informação, mas pouco conhecimento.

O perigo de se informar sobre o que empresários fazem — estratégias, hacks, lições — é o timing. Na maior parte do tempo, você está muito mais no começo do que parece, e sabe muito menos do que imagina. Mesmo que você já tenha começado uma empresa e esteja indo bem, é bastante provável que muitos dos conteúdos encontrados nesses perfis pelo Instagram sejam de um estágio de empresa diferente ou de um contexto totalmente alternativo.

É fato que estar exposto a isso lhe ajuda a ter conversas que abrem portas, pois permite entender o universo de inúmeras pessoas em suas carreiras, e por este motivo dá repertório, até mesmo para que você tenha uma boa ideia de negócio. Mas nem só de ideia vive o empreendedor, na verdade é o que menos importa, a questão principal é como se aloca o tempo.

Você está direcionando sua atenção para algo que vai te tirar do lugar e que realmente é aprendizado ou está desperdiçando energia em conteúdos que são interessantes, mas não têm relevância para seu momento de vida?

Como resultado, vemos pessoas pensando em problemas que não vivem. Fazer ou não fazer faculdade quando não têm nenhum motivo para pensar nisso, onde investir sendo que ainda nem geram uma renda, como contratar sendo que ainda não têm clientes, como investir em marketing sendo que ainda não fizeram a primeira venda.

Como exercício, se pergunte se realmente o que consome seu tempo te faz ganhar tempo. Separe um momento para abrir o leque e ter conhecimentos gerais, mas tome cuidado para que influenciadores de negócio não moldem sua maneira de pensar e isso afete seu comportamento e suas decisões, te tirando do seu contexto e realidade.

Gosto de pensar que consumir conteúdo ajuda a pensar onde se pode chegar, talvez entender certos caminhos, mas jamais será o que te faz andar. Você está andando? É uma pergunta que se faz aplicável aqui.

Todos os conteúdos produzidos tem como objetivo gerar valor ao público, mas é preciso se certificar de que você não está sendo direcionado para o carrinho de compras.

Feitos para serem agradáveis, estes conteúdos de negócio acabam virando entretenimento em vez de estudo.

Por esse motivo, nunca se esqueça de ler artigos, livros e manter em dia cafés com profissionais mais experientes. Ter mentores que empreendem de verdade também é muito útil para alinhar suas expectativas e te direcionar para o caminho que você quer seguir.

O caminho que você quer seguir tem sido muito discutido em temas crescentes como “o propósito no que se faz”. Ter propósito é uma busca de muitos, e muitas vezes nasce da insatisfação.

Você quer chegar em algum lugar, não por só gostar do fim e não querer trabalhar para chegar lá (o que muitas vezes também é uma verdade), mas você quer uma realidade diferente da que vive, não está contente com sua vida hoje e sabe o que quer fazer, encontra uma abundância de conteúdo sobre o que gostaria de estar fazendo e mergulha nisso, com paixão, mas acaba baseando iniciativas em cenários irreais, muito por conta do que viu na história de outras pessoas.

E aí que entra a analogia com a pornografia. Atravessando todas as barreiras de se conquistar uma mulher ou um rapaz, não contente com sua realidade conjugal, você se inunda de imagens que são possíveis de serem alcançadas mas completamente distantes do que você é atualmente apto a fazer.

Infelizmente, este entretenimento é fortíssimo no mundo e, assim como a pornografia, o mundo dos negócios tem sido cada vez mais encantador. Sonhar acordado é bom, mas engana, lhe rouba tempo, não te ajuda a chegar lá.

Muitos têm vivido a vida dos outros e idealizado cenários irreais, ou não fazem nada ou se dão mal comprando um risco muito maior por errar o timing de fazer as coisas, fazem no momento errado e talvez o momento seja um dos principais fatores de sucesso.

Como já afirmado por Bill Gates, Mark Zuckerberg e muitos outros empresários de sucesso, saber qual tese de negócio está atual com o timing do mercado e entender que é o seu timing de seguir com seu projeto é bem fundamental para as coisas andarem. Às vezes sem querer, às vezes previsível, o momento é buscado por todos aqueles que querem acertar.

Este nível de autoconhecimento, conhecimento do mercado e a própria capacidade de execução vem com muita experiência real, e as respostas para os problemas que enfrentamos demandam muito trabalho e tempo.

Não se engane e não minta para si mesmo acreditando em tudo o que vê, olhe para sua vida e veja o que é o melhor a ser feito com o que você tem.

Quanto tempo você demora para achar uma resposta? Bom, depende do resultado que você procura.

Se for informação, milésimos de segundo, se for conhecimento verdadeiro pode levar uma vida.

Este artigo foi escrito por Vitor Franco Braga, Associado Qualify do IFL — Instituto de Formação de Líderes Jovem SP. Vitor tem 18 anos de idade e desde criança programa, cria produtos digitais e empreende. Está desenvolvendo o Ela App, serviço de telessaúde que democratiza o acesso à exercícios de fisioterapia que retardam o avanço da ELA — Esclerose Lateral Amiotrófica em seus portadores por meio de um aplicativo gratuito.

8 visualizações0 comentário